Monday, January 09, 2006

Flerte no Sapateiro

Imaginem só.. Acordo de manhã, atrasada pra variar - dois despertadores já não bastam pra me tirar da cama - levanto da cama e ligo micro, força do hábito: tenho que ler os recadinhos do Orkut antes de sair,...

Tomo um banho, escolho a roupa, e o primeiro par de sapatos de salto alto preto, e desço correndo. Ainda bem que não tem tanto trânsito, chego rápido no trabalho... Mas percebo, ao sair do estacionamento, que o saltinho do sapato esquerdo saiu.

Que droga ! Ando com a sensação de estar manca - incrível como uma borrachinha pode fazer tanta diferença ! - e já na portaria da empresa caminho devagar sobre o piso de mármore para não escorregar.. Não tem jeito, acho melhor procurar um sapateiro que arrume isso na hora ou então é melhor comprar outro par de sapatos, antes que um desastre aconteça.

Na hora do almoço, saio um pouco antes e vou ao sapateiro. "Vocês consertam o saltinho na hora ? sim ? que bom !!" E o educado atendente me estende um tapete ao lado de um banco, e pede, não somente o pé do sapato que está sem salto - "Os dois, por favor, assim não corremos o risco de ficarem diferentes". Obedeço e fico aguardando sentada de pés no chão, o conserto. Neste momento, entram na sapataria mais dois senhores, um deles com o mesmo problema que o eu.. Precisa trocar o salto.

Outro tapete estendido, e ganho uma companhia de pés descalços.. Ufa.. ainda bem que ninguém tinha chulé.. Sem demora os meus sapatos ficam prontos, e o rapazinho me entrega um pé por vez, e me vendo calçá-los, esboça um sorriso estranho e me entrega um bilhetinho, escrito à mão, num pedaço de folha pautada, identifico de relance a palavra "você" na caligrafia torta. Acho graça na ousadia do garoto - não tinha mais que 18 anos !, e ao mesmo tempo fico constrangida ao perceber os olhares maliciosos dos dois distintos senhores presente. Fico indecisa de ler prontamente o bilhete, mas enquanto pego a bolsa na cadeira, automaticamente dirijo meu olhar ao pedaço de papel, leio e com um sorriso largo, agradeço ao garoto, que retribui o meu sorriso, enquanto saio um tanto quanto encabulada do estabelecimento..

Já no passeio do pequeno boulevard onde fica a pequena sapataria, não resisto e o sorriso se transforma numa espontânea risada, ignorando as pessoas que por ali passavam, quando me lembro do bilhetinho que ainda segurava na mão:"Você está com um sapato diferente do outro".

E neste momento já não sabia se as minhas risadas eram pelo fato de ter ido trabalhar com dois pés de sapato de pares diferentes ou pelo fato de ter pensado - junto com os dois senhores presentes na sapataria - que o discreto e jovem atendente estava flertando comigo !!!

Puxa.. isso valeu o dia !! Foram muitas risadas durante toda a tarde, porque a esta altura do campeonato, já não me continha em mostrar os sapatos diferentes de saltos novos e a contar esta pequena desventura !! Vou me lembrar disso todos os dias qdo estiver atrasada e entrar correndo no quarto sem acender a luz ou abrir as janelas para calçar os sapatos !!

Até à próxima ! O que foi ? Vc está curioso pra saber por que "Na Rua Dona Júlia..." ?? Ah... mas isso é outra história...





4 comments:

Yumi said...

Oie ... li as suas histórias e adorei !! Agora sou fã dos blogs da Dila !! Adoro o seu bom humor !! Grande beijo

Yumi said...

Ahhh ... e a Rua Dona Júlia ?? É outra histótia? bjs

Anderson said...

Dila, tô rolando até agora...kkkk Pelo dente e pelo sapato...kkk vc é o máximo...bjs, esperamos vc logo....

Anderson said...

Dila, tô rolando até agora...kkkk Pelo dente e pelo sapato...kkk vc é o máximo...bjs, esperamos vc logo....